Como surfar cada onda de 2018

Sábado 06 de jan. de 2018

15 horas fundação A. Shiva

1ª aula de surf do ano 2018

A humanidade, nos últimos 5000 anos, tem sobrevivido na esperança de qualquer coisa, vivendo sempre na esperança da chegada de um salvador. Uns pela terra prometida, outros pelo messias, outros pelo profeta, outros pela nova era, até por D. Sebastião.

Ainda ontem me perguntaram na palestra on-line: “Qual seria o acesso mais rápido para a transformação de uma sociedade de mente materialista para uma sociedade de mente criativa”? “Há uma data para que essa transformação ocorra a nível mundial”?

Duas perguntas concretas muito importantes e que merecem resposta concretas. Passar da filosofia da competitividade para filosofia da criatividade, não é fácil antes de uma crise. Não existe erro em fazer as coisas de uma determinada maneira. Errar é repetir fazer de uma mesma coisa esperando um resultado diferente. Claro que ninguém precisa de errar, até mergulhar no caos, para ver que uma coisa não funciona. Se vemos alguém fazer de um jeito que não funciona, é preciso ser-se muito estúpido para não se aprender com as experiências dos outros.

Neste limiar da nova era, em que a humanidade precisa se deslocar na vertical, ao contrário do que tem feito até aqui, que se deslocou na horizontal, todos, aprendemos uma nova forma de estar na vida. O mais importante no momento é a partilha de experiências, daqueles que saíram das crises profundas em que estiveram mergulhados. A melhor forma de mostrar inteligência é não repetir uma coisa que não resultou e aprender com quem partilha a experiência de uma vida de qualidade verdadeira. Não é seguindo Gurus ou mestres disto ou aquilo. Um mestre é aquele que ensina pela pratica; aquele que é… não aquele que “sabe” como é…

Quanto à segunda questão “Há uma data para que essa transformação ocorra a nível mundial”?

Por essa questão demonstra que ainda não existe uma consciência global, não sentido a fazer parte do todo. Se olharmos para a história, vemos, por exemplo, que tanto Pedro Alvares Cabral, como Cristóvão Colombo morreram a pensar que tinham descoberto a Índia. Mas afinal foi o Brasil e a América do Norte. Da mesma forma que muitos de nós morreremos esperando a terra prometida, o paraíso na terra.

Mas para outros, os ativistas da nova era, já vivem no paraíso. São poucos os que usam plenamente as leis da mecânica espiritual, mas eles mostram com as suas vidas que a realidade de cada homem e mulher do planeta é unicamente o reflexo do que pensam delas do mundo de Deus e do universo.

Convido-te a estares presente neste sábado 06 de janeiro, porque vou partilhar, porque os últimos 04 anos foram anos de sucesso e o último 2017 foi o melhor ano da minha vida.

Vem acompanhado das tuas questões duvidas e traz um amigo também.

Fundação A.Shiva

Rua do Pinhal, nº 209

2120-217 Foros de Salvaterra

Telefone: 263 504 162